Até quando?

Até quando você vai continuar olhando só pra si mesmo sem ao menos olhar pra si mesmo?

Até quando vai ouvir somente o que você quer falar?

Até quando a sua mesa vai continuar mandando comida pro lixo enquanto outros estão no lixo procurando o que comer?

Até quando vai acreditar na ” justiça” que você criou?

Até quando vai continuar pregando a sua hipocrisia de dizer que se importa …

Com o que você se importa?
Existir pra você é estar onde?
Quem é você?
Onde está você?
De onde você veio e pra onde você vai?

Pratique a observação…
Quantas mais experiencias você precisa provocar?

Nenhum caminho que leva a morada do nosso pai deixado aqui até hoje lhe foi o suficiente?

Então enquanto esse questionário estiver sem respostas vai continuar aparecendo e aparecendo e aparecendo suas milhões de perguntas…

Tuna Yoshodaha

Uma piada um tanto quanto perigosa

Um piadista do Caos

Eu devia estar contente por que sou o dito cidadão respeitável e ganho 4 mil cruzados por mês… ( já dizia Raul Seixas(
        
É a vida.
Uma piada um tanto quanto perigosa.
Famílias espirituais inteiras nos seguem, falam conosco, brigam, tentam nos encaminhar em direção à evolução.
Aí eu me olho no espelho e continuo vendo este corpo de lama, um animalzinho arrogante que nem utiliza 20% da capacidade total que me foi dada no momento da criação.
Concepção!! Somos filhos de concepção da sagrada energia feminina e da sagrada energia sagrada masculina.
O que fazemos com esta chance? O que fazemos com nossas encarnações?
O QUE FAZEMOS AQUI?
Continuamos o jogo dos macacos, dos primatas…
Damos troféus uns aos outros, damos celulares, carros, bombetas, damos nossos corpos sagrados em rituais profanos todos os fins de semana para afogar a dor de não sabermos o objetivo de nossa própria existência.
Nos afogamos na ignorância em busca de prazer, por que o conhecimento traz dor.
DOR! MALDITA DOR!!
Somos gamblers, ladrões de nossos próprios sonhos, mergulhados todos os dias, todas as horas em nossa rotina: acorda, estuda, trabalha, volta pra casa, assiste TV, fala no celular.
CADÊ MINHA ALMA QUE TAVA AQUI, PORRA!
Engoli.
Engoli e soterrei.
Engoli, soterrei e regurgitei procurando engolir denovo.
Enquanto escrevo meu corpo, minha alma e minha mente gritam de dor. Consigo ouvir os berros da humanidade afogada, como se pedisse… ou melhor, como se IMPLORASSE PARA SER SALVA.
Eu sou o messias do novo aeon.

Mas não sou.

Vou me desconstruindo até encontrar meu ovóide, minha forma primordial cabalística que vai me levar de volta ao núcleo das Forças Primordiais.

Sou um brainstorm de Deus, não sou seu produto final.

O produto final são os anjos.

Nem demônio eu sou.

Sou humano.

Uma breve introdução

This is the excerpt for a placeholder post.

Apesar de o nome causar arrepios em alguns leitores mais sensíveis, e até espantar os mais supersticiosos, o “Livro das Sombras” não é uma coisa maligna. Basicamente um Livro das Sombras é um diário onde você anota suas experiências mais estranhas e sem explicação.

Para os envolvidos na magia o Livro das Sombras é um diário mágico, onde você anota estas experiências, como se sentiu, o que viu e ouviu. Também é possível anotar nele rituais, banhos, feitiços, entidades, manifestações e qualquer coisa relacionada ao oculto.

Este Grimório nasceu quando eu comecei a frequentar o Arcanum Arcanorum do site Teoria da Conspiração, idealizado pelo Marcelo Del Debbio e outros magos. Através deste livro vocês vão conhecer minhas duas jornadas: na macroesfera, onde tive depressão, perdi meus pais, tentei o suicídio e até morei fora do país; e a microesfera, meu mundo pessoal onde conheci as linhas da magia, o druidismo, a wicca, a gnose e outras filosofias menos famosas.

Eu não desisti completamente de escrever, mas embarquei em uma jornada druídica-iniciática que me levou a rever meus conceitos. Por isso meus livros de fantasia vão ficar em hiato até que eu decida o que fazer com eles.

Por enquanto, saiba: o mundo em que vivemos é uma ilusão, um holograma sagrado/profano criado por forças extra-terrenas que não vão muito com a nossa cara. Há caminhos a serem seguidos, caminhos iluminados e caminhos sombrios, mas há uma chance de nos recuperarmos e salvarmos nossa humanidade.